En poursuivant votre navigation sur ce site ou en cliquant sur la croix, vous acceptez le dépôt de cookies destinés à réaliser des statistiques de visites ainsi qu'à vous proposer des vidéos, des boutons de partage, des publicités personnalisées et un service de chat. Pour en savoir plus et paramétrer les cookies X

FR EN ES PT

Primeiro veio Astrub, sempre na vanguarda em matéria de inovação. Dois anos depois, chegaram as 4 outras grandes nações: mais belas e mais modernas, Amakna, Bonta, Sufokia e Brakmar se renovam e convidam vocês para novas aventuras. Mas por que essa reorganização do território?

A pequena embarcação roxa dançava sobre a água do lago. Debaixo de seu chapéu de palha, com os pés cruzados sobre a borda do barco, Kadorpes notou um um movimento sob a superfície da água. Ele lançou um olhar para o filho, para ver se o rapaz estava prestando atenção na linha, mas Keyropes fixava o horizonte, perdido em seus pensamentos. A boia mergulhou uma vez. Nenhuma reação. Depois uma segunda vez... O jovem Osamodas nem se mexeu. Ele segurava a vara de pescar com uma mão e a cabeça com a outra. E aí a boia afundou.

- Puxa! - gritou Kadorpes, surpreendendo Keyropes, que reagiu na hora e levantou instintivamente a vara de pescar.

A linha de nylon voou pelos ares, respingando água na pequena embarcação. Quando ela caiu, revelou um anzol sem isca.

- Você perdeu a isca?

- Sim, pai...
- Eu o vi ir embora, mas você estava com a cabeça nas nuvens. No que estava pensando, filho?
- Em nada... No meu amigo, Columbo. Ele me disse que estava decidido: depois das férias, ia se juntar a uma nação.
- Ah... E qual ele escolheu?
- Sufokia.
- Excelente escolha!
- Papai... Você nunca pensou em se juntar a uma nação? - perguntou Keyropes, abrindo uma caixa cheia de serragem e minhocas. A gente podia ir também, e a mamãe venderia peixe no cais...
- Isso se a gente conseguir pescar alguma coisa... - brincou Kadorpes, que depois voltou a ficar sério. Sabe... Gosto de me sentir em casa onde quer que eu esteja. Gosto de morar no campo e visitar essas grandes cidades quando me dá na telha, mas não sinto uma paixão cega por nenhuma delas.

Gosto das planícies de Amakna e seus campos de trigo, da beleza de Bonta e suas florestas, do estádio de Brakmar...! Ah... e das praias de Sufokia! Tenho ótimas lembranças de lá com sua mãe, sozinhos na areia, os pés na água...
- Eu sei, pai, você já me contou essa história. Da última vez, tive que pular do barco e voltar a nado pra escapar dela...

Kadorpes passou a mão carinhosamente pelos cabelos do filho, que jogava o anzol na água novamente.

- Sabe, pai, parece que elas estão ainda mais bonitas que antes. Columbo me disse que ele visitou todas as capitais com a família. As crises de Ogrest não tiveram só um lado ruim: em todos os lugares que visitou, explicaram a ele que os combates contra Ogrest eram tão poderosos que provocavam deslizamentos de pedras do Monte Zinit, terremotos, tempestades...

- Uau! Dá até vontade de ir! - ironizou Kadorpes.
- Deixa eu terminar! Todas essas catástrofes tiveram efeitos benéficos em todas as grandes cidades: elas se desenvolveram ainda mais, reconstruindo sobre as ruínas com as pedras caídas do céu, reforçando as zonas que estavam enfraquecidas demais para aguentar esses ataques da "natureza"...
- Esse seu amigo é corretor de imóveis, por acaso?
- Vai, pai, promete que vai pensar no assunto!
- Você quer ir atrás do seu amigo, isso sim.
- Sim, é verdade... Mas uma nação também é isso: um monte de velhos e novos amigos! Aliás, você não tinha um amigo que partiu para outra nação e nunca mais o viu?
- Bowbody… Eu tinha mais ou menos a sua idade quando ele foi para Amakna. Na época, eu arrumei minha mochila e me escondi na charrete dos pais del...

Kadorpes se deu conta de que estava prestes a dar uma má ideia ao filho. Keyropes, esperto que só, entendeu muito bem e deu um sorrisinho com o canto da boca.

- Papai...
- Sim…?
- Um peixe mordeu sua isca.
- Por Oktapodas!

O pai fisgou o peixe enquanto o filho pegava a rede. A vara envergou com o peso da presa que se debatia e fazia o barco rodar em círculos. Depois de alguns minutos, Kadorpes conseguiu puxar a linha o suficiente para avistar a criatura. Naquele dia, a dupla pescou um dos mais belos espécimes da vida deles. Dizem que foi lá que tudo começou, quando eles tiveram a ideia de abrir um negócio com a família de Columbo em Sufokia: Kadorpes e Keyropes iam com frequência entregar peixes de água doce para eles e voltavam com uma carga oriunda do Mar Mota. Eles logo fizeram planos para entregar seus pescados em todas as nações, a fim de ver com os próprios olhos as novas maravilhas de Bonta, Brakmar, Sufokia e Amakna.